sábado, 11 de dezembro de 2010

A historia de Maria Padilha

Quem e Maria Padilha?
Maria Padilha e uma das principais entidades da umbanda e candomblé têm o dom do amor e encantamento, e bastante procurada por pessoas que sofrem de amor e não são correspondidas, as principais pessoas que a procuram são: gays, lésbicas, mulheres que desejam homens casados, prostitutas, etc.
 Mulheres que trabalham com essa entidade são bonitas, formosas, atraentes,dominadoras, e sabem fazer amor de um jeito que seduz e encanta seu parceiro , e com a mesma facilidade também sabem odiar seus parceiros.Maria Padilha e protetora das prostitutas, adora o luxo e o sexo, gosta da lua e odeia o sol, usa roupas geralmente pretas e vermelhas assim como seus colares e sua coroa, suas cantigas são alegres, cheias de magias e segredos, e mulher de sete exu, rainha dos cabarés e da encruzilhadas

Maria Padilha

.
Como são suas oferendas?
Suas oferendas geralmente são: cigarros, champanhe, batom, pente, perfumes, rosas vermelhas, farofas com azeite de dendê. Em seus sacrifícios são usados animais, geralmente são usados galinha vermelha cabra e pata preta, suas obrigações são arriadas geralmente em encruzilhadas em forma de “T”.

exemplo de oferenda

Como surgiu Maria Padilha.
França, final do século dezenove. “Juliette estava desesperada aos dezenove anos filha de nobres franceses, estava prometida em casamento para o jovem duque D” Aureax. Por motivos que só a vida pode explicar estava apaixonada por um dos cavalheiros de sua propriedade, e acabou se entregando causando sua gravidez que estava em sua oitava semana, somente confiava seus segredos a sua velha ama “Marie”, ela era como uma segunda mãe para Juliette, a viu nascer e desde então nunca mais se separou dela.
A velha Marie aconselhou Juliette a fugir com seu amado “Jean” procurado o rapaz ele assumiu com suas obrigações e aceitou a fugir com a moça, saíram as escondidas a noite levando consigo apenas Marie que seria muito útil e os cavalos necessário para os três,  próximo da meia noite Juliette e Marie dispararam pelo jardim se dirigido ao ponto em que o jovem a esperava. Não esperavam que “sophie” a filha dos caseiros a observava, Sophie extremamente apaixonada por Jean correu ate a casa grande e alertou sobre a fuga da moça, Antoine o pai de Juliette imediatamente chamou dois homens de sua inteira confiança e partiu para a perseguição.
Não precisou procurar muito devido a falta de experiência das mulheres que fazia a fuga serem lenta, Antoine gritou que parassem isso só fez que Jean apressasse seu cavalo, o primeiro tiro acertou bem no meio das costas de Jean fazendo com que ele caísse do seu cavalo, Juliette correu de desespero a caminho do seu amado quando ouviu um segundo tiro, quando olhou para traz só viu a Marie caindo do seu cavalo, sem pensar duas vezes puxou a arma de Jean e apontou para o pai, “solte essa arma” falou Antonie e se aproximando dela quando Juliette puxou o gatilho disparando contra o coração do seu pai.
Os homens que o acompanhavam não sabiam o que fazer, aproveitando esse momento de indecisão Juliette saiu descontrolada correndo e chorando em direção a uma ponte a alguns metros dali, e foi ali mesmo que ela se despediu da vida pulando nas águas gelada do riacho, a morte foi rápida onde nada podia ser feito, responsável por três mortes direta (a dela, do pai dela, e da criança que carregava em seu ventre) e mais duas indireta (Jean e Marie) um triste destino esperava pelo atormentado espírito da moça.
Depois de muito vagar por terrenos negros e conhecer incontáveis almas perdidas encontrou um grupo de entidades que a encaminhou para a expiação dos males que causará, tornou-se então uma das falangueiras de Maria Padilha hoje em nossos terrenos atende pelo nome de “Maria Padilha dos sete cruzeiros da calunga”.

2 comentários:

alef1059 disse...

dizem que ela e boazuda!

Anônimo disse...

sempre tiver curisidaDE saber de fato a hitoria de uma intidade que gosto tanto mas queria saber muito mas !

Postar um comentário

Sombrio, deixe aqui seu comentário!